No Brasil 18 milhões de pessoas sofrem de transtorno de ansiedade, será que você é uma delas?

O Brasil é o país com maior prevalência de transtornos de ansiedade nas Américas, são 18,6 milhões de pessoas que apresentam problemas de ansiedade. Nesse cenário é muito importante saber identificar os sinais para procurar ajuda e evitar as consequências que os transtornos de ansiedade podem causar.

O texto apresenta uma visão geral sobre transtornos de ansiedade, como definições, principais sintomas, tipos de transtornos de ansiedade e as possibilidades de tratamento. O índice a seguir foi preparado para auxiliar na leitura.

Índice:

Ansiedade é o mal do século?

Mas o que é Ansiedade? Será que tenho ansiedade patológica?

Quais os sintomas do Transtorno de Ansiedade?

Existem tipos de transtorno de ansiedade ou classificações diferentes?

Existe tratamento para o Transtorno de Ansiedade?

Ansiedade é o mal do século?

Um relatório emitido em 2017 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou um alerta para a população mundial e aponta o Brasil como o país com a maior prevalência de transtornos de ansiedade nas Américas: o problema afetava 9,3% da população, o equivalente a 18,6 milhões de pessoas. Mostrava também, que de forma geral, há mais mulheres afetadas do que homens.

O ambiente de crise formado, por exemplo, por dificuldades financeiras, brigas na família ou estresse no trabalho pode ser um fator de risco para o desenvolvimento de quadros de ansiedade.

Com a Pandemia, esse quadro piorou.

Desde abril de 2020, o Ministério da Saúde conduz uma pesquisa para avaliar a saúde mental dos brasileiros. A primeira etapa foi realizada nos meses de abril e maio. Mais de 17 mil pessoas em todo o Brasil participaram do estudo. O resultado foi alarmante: 86,5% dos entrevistados estavam enquadrados em algum tipo de ansiedade patológica o tipo de ansiedade que causa adoecimento e sofrimento psicológico.

Mas o que é Ansiedade? Será que tenho ansiedade patológica?

O termo ansiedade é utilizado de maneira geral para vários comportamentos ou sintomas derivados do medo, nervosismo, apreensão ou preocupação.

Podemos encontrar a ansiedade inserida no cotidiano normal.  A ansiedade faz parte do cotidiano de todos os seres humanos, em um nível de tensão aceitável, diante de uma situação a se enfrentar, como por exemplo: Uma prova, uma conversa com um superior hierárquico, uma entrevista de emprego, casamento, nascimentos de filhos entre outros. Ficamos mesmo ansiosos diante de certas situações, principalmente se elas representam algum tipo de ameaça.

Ansiedade é uma resposta emocional que todos apresentamos como acontece com o reflexo de luta e fuga no caso do medo. Se existe uma ameaça, me preparo para sair da situação ou para enfrentá-la. Esse é o mecanismo do medo, uma resposta emocional à ameaça iminente, real e percebida, enquanto a ansiedade é a antecipação de uma ameaça futura. Diante da ameaça, o organismo se prepara para lutar ou fugir e para tanto os batimentos cardíacos aceleram, o tônus muscular aumenta, a pele do rosto fica ruborizada, entre outras reações. Vários dos sintomas da ansiedade se remetem esse quadro de reações e, da mesma forma, podemos sentir os batimentos acelerados, sudorese, aumento da pressão arterial, rubor.

Mas reações que são normais às vezes podem se tornar excessivas e difíceis de controlar, que é o que pode ocorrer em relação a um quadro de ansiedade patológica.  

Existe expectativa de alguma coisa que acontecerá e geralmente negativa. Tem relação com o  medo, mas está direcionada para o futuro. Por exemplo: “eu vou me expor socialmente”, “eu não vou ter dinheiro”, “eu vou falhar”. E esse pensamento funciona como se fosse um circuito em torno da negatividade, por isso as pessoas não conseguem parar de pensar no que poderá acontecer de ruim, elas pensam: “vou pensar positivo”, mas não conseguem.

No dia-a-dia, podemos sentir frio na barriga, dor de cabeça, coração acelerado e insônia como consequência de uma notícia ou situação estressante que esteja vivenciando naquele momento específico. Gera um pouco de sofrimento, mas é limitado e passageiro. Não tem interferências relevantes para a vida, ou seja, não impede de exercer as atividades do cotidiano. Porém, quando vivenciado de uma forma mais intensa e com mais frequência, trazendo sofrimento e diversos sintomas físicos e psicológicos, além de comprometer as atividades cotidianas como faltas ao trabalho, dificuldade ou recusa com a higiene pessoal, por exemplo, são indicadores de ansiedade patológica, poderá ser diagnosticado como patológica, por isso é denominada como Transtorno de Ansiedade.

Quais os sintomas do Transtorno de Ansiedade?

O Transtorno de Ansiedade caracteriza-se por episódios frequentes com intensidade alta e duração prolongada.  Suas reações são desproporcionais, exageradas e irracionais gerando sofrimento psíquico que perdura por semanas, meses ou até mesmo anos, poderá ser leve, moderada ou grave dependendo do quanto o estado de ansiedade compromete a rotina de vida da pessoa e a intensidade e frequência do sofrimento psicológico emocional causado. 

Os sintomas físicos mais comuns são: sudorese, tontura, dores de cabeça, palpitações, cansaço constante, sensação de frio na barriga ou diarreia, tremores, dores musculares, etc. Aumento da pressão sanguínea, hiperventilação, palpitações, aceleração dos batimentos cardíacos, forte dor no peito, sudorese, falta de ar, ondas de calor, tremores, calafrios, dor de estômago, musculatura tensa, sensação de desmaio, também é comum a presença de dificuldade com o sono com episódios persistentes de insônia.

Já os sintomas psicológicos abrangem pensamentos constantes e acelerados, geralmente acompanhados de medo contínuo e muitas vezes irracional, mudanças de humor drásticas, dificuldade de concentração, excitabilidade, hiperatividade, agitação, pensamentos de catástrofe, preocupação exagerada, isolamento social, dificuldade de esquecer o que a aflige (pensamento persistente). Falta de confiança diante de momentos que fujam do previsto e falta de estabilidade emocional quando algo foge ao planejado. É muito comum ocorrer sensação de estar carregando um fardo imenso e pesado nas costas, pois as preocupações não param nem se quer por um momento.

Existem tipos de transtorno de ansiedade ou classificações diferentes?

Sim, o Transtorno de Ansiedade tem uma classificação de acordo com seus diferentes padrões de manifestação, conforme a Classificação Internacional de Doenças 10ª versão (CID 10):

  • Ansiedade generalizada: quando existe hipervigilância, sensação constante de que alguma coisa de ruim vai acontecer, a pessoa fica com medo,  taquicardia em qualquer situação;
  • Fobia social: quando existe o medo da exposição social, do constrangimento e por isso evita-se relacionamentos e exposição social;
  • Pânico: quando a pessoa é acometida de ataques agudos, acompanhados de taquicardia.  Existe a sensação de morte eminente.
  • Fobias específicas, como: claustrofobia (fobia de lugares fechados ou abertos, mas com número elevado de pessoas),   aracnofobia (medo de aracnídeos), astrofobia (medo de trovões e relâmpagos), acrofobia (medo de altura), entre outros;
  • Agorafobia, quando existe o medo e ansiedade em ficar em situações ou locais sem saída, ou sem uma maneira de escapar facilmente, ou ainda, em que a não há acesso e disponibilidade de receber ajuda caso precisar;
  • Transtorno de estresse pós-traumático: quando depois de sofrer um evento externo estressante muito intenso, a pessoa passa a ter um quadro de ansiedade. Estará sempre se lembrando do evento traumático, tendo pesadelos e sonhos repetitivos e evita situações, com as quais, acredita que possa vivencia-lo novamente.Por exemplo, a experiência de  passar por uma enchente muito desesperadora. Após essa situação vivenciada, mesmo morando num apartamento, no segundo andar,  em dia de chuva, começa a ter sudorese, taquicardia e tremores.
  • Transtorno obsessivo-compulsivo. Mais conhecido como TOC,  são pensamentos obsessivos que geram atos compulsivos. Por exemplo: Contaminação (pensamento repetitivo de medo de se contaminar), a pessoa passa álcool compulsivamente, várias vezes, até que reduza sua ansiedade.

Existe tratamento para o Transtorno de Ansiedade?

O tratamento para transtornos de ansiedade existe e apresenta bons resultados quando bem orientados, por isso é importante que o diagnóstico seja feito por profissional da saúde mental, como psicólogo ou psiquiatra. No processo de diagnóstico é possível verificar se há mais problemas além da ansiedade para tratá-los de maneira adequada.

O tratamento de transtorno de ansiedade pode contar com atendimento psiquiátrico e psicológico que podem ser feitos em conjunto.

  • No tratamento psiquiátrico os medicamentos receitados são muito importantes, principalmente, em quadros moderados ou graves, quando existem outras patologias associadas para alcançar estabilidade do quadro de sintomas apresentado pelo paciente.
  • No tratamento psicológico busca-se tratar as causas que dão origem ao quadro de ansiedade patológica com a finalidade de superá-lo e reestabelecer a saúde mental do paciente.

Há outras práticas que contribuem muito na recuperação de uma pessoa acometida de transtorno de ansiedade como a dedicação a atividades físicas que ajudam na produção de endorfinas (substâncias secretadas pelo próprio organismo que contribuem para o bem estar) e meditação (que pode contribuir para um melhor controle dos pensamentos), porém só surtem algum efeito com sua prática frequente e constante e não excluem a necessidade de tratamento psiquiátrico ou psicológico.

Importante: Este texto tem caráter informativo, caso apresente sintomas como os relatados aqui consulte um profissional da saúde.


Clique aqui para agende sua consulta Po WhatsApp